Sobre o Blog

Blog sobre o Vale do Amanhecer, Doutrina concebida pela Espiritualidade Maior e executada por Neiva Chaves Zelaya, um Espírito de Luz Altíssima, conhecido nos Planos Superiores por Agla Koatay 108. O Vale recebe pessoas sem distinção para solução de problemas espirituais. Nada cobra de seus pacientes e nem exige frequência. Temas espirituais diversos são tratados aqui. Vicente Filgueira, Adjunto Esdalvo - Jornalista (Registro Profissional Fenaj 274/03/38§ v/DRTGo-01364-SJP)


Marcadores

16 de dez de 2012

Consagração de Enlevo


Manto específico para o ritual de Enlevo
Hoje, domingo, 16 de dezembro, é a data em que no Vale do Amanhecer se consagra o Enlevo, que é um manto branco específico que se guarda para os momentos inesperados da vida do jaguar, das pessoas amigas e dos familiares O Manto é adquirido no Magazine Dera, mas somente no dia da Consagração. Enlevo é uma consagração onde o mestre - Sol ou Lua - recebe as forças do Senhor da Lança Vermelha, impregnando um manto, de que é portador durante o ritual, com grande poder desobsessivo.
s. m. Ato de enlevar. Estado de espírito provocado por pessoa ou coisa que maravilha ou encanta. Encantamento, deleite. Êxtase.
Este manto poderá ser usado nos momentos necessários, em qualquer pessoa que esteja com dificuldades emocionais ou físicas. Quem vai receber o tratamento deverá se colocar em posição confortável, relaxar e buscar a harmonia de sua mente com os planos superiores. Deve fazer uma prece  (um Pai Nosso) e mentalizar seus Mentores e, especialmente, os Médicos do Espaço.
O manto deve ser aplicado envolvendo a parte superior da cabeça, cobrindo o chakra coronário, se o mal for emocional; nos casos de mal físico, o manto deve ser colocado sobre a área afetada durante algum tempo e, depois, ser colocado sobre o plexo, agindo sobre o Sol Interior.
Após usado, o manto deve ser guardado em um saco plástico, em local onde não seja muito mexido.
Pode ser usado o mesmo manto em outras consagrações ou ser substituído por um novo.
  • “Conseguimos! Depois de um acervo muito grande de trabalho e perseverança, conseguimos chegar a uma grande afirmação e, depois de mais de um ano, recebermos estas benditas Estrelas, escadas vivas que já percorremos, para o equilíbrio do mestrado e de novas formas de fenômenos que agora temos e podemos dizer que somos verdadeiros curadores de um poder desobsessivo.
Hoje, temos dois poderes e, graças a Deus, vamos enfrentar. Temos o Sol e a Lua, temos Harpásios e temos Vancares! Harpásios, o Grande Oráculo!
Quem está numa nave Cautanenses, Tisanos, está a caminho de Vancares.
Taumantes, Tenaros, Sardyos, estão a caminho de Harpásios.
Os que são Koatay 108, por conseguinte, são Harpásios. Todos eles vão se consagrar!
Sim, filho, são realmente um perigo essas descargas nucleares, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Quem entreguei os meus olhos, nos diz Amanto aqui.
E parece que estamos nesta época com o mesmo castigo das descargas nucleares. Porém, eu não tinha dito o perigo da força nuclear. E por que estou falando tanto?
É querendo prepará-los pelas mensagens de Pai Seta Branca de 1980.
Digo, filho, que já demos um passo muito grande nesta última Consagração de Enlevo.
 Enlevo é o cruzamento da Cabala, é o primeiro passo nos desígnios da Cabala, cruzamento do Ouro Branco e do Ouro Negro!”  (Tia Neiva, s/d)
 Ritual da Consagração de Enlevo
1. Esta Consagração tem início às 15 horas, no Templo. Os Trinos harmonizam o ambiente e fazem a abertura do ritual, com suas emissões e cantos.
2. A partir do Radar, crescendo para a entrada do Templo, os Devas formam grupos de 7 mestres Sol intercalando-os com grupos de 7 mestres Lua, todos de capa, com suas ninfas com indumentárias de Ninfas Sol ou Lua, ou de falange missionária. Os grupos de 7 Sol e 7 Lua são separados por pequenas cortes de missionários e missionárias.
3. Os mestres levam seus mantos brancos dobrados em seu braço direito e, ao lado de suas ninfas, são conduzidos pela corte, passando por Pai Seta Branca e entram na parte evangélica, como se fosse na Entrega das Energias: mestres pelo portão da direita e ninfas pelo portão da esquerda. Entra um grupo de 7 e os demais ficam aguardando nos portões.
4. Na Pira, enquanto um Adjunto defuma, os mestres do grupo que entrou vão fazendo sua preparação, individualmente, e continuam para o Aledá.
5. No Aledá, os mestres se posicionam de frente para a Mesa Evangélica, com suas ninfas atrás, abrem o plexo e, ao mesmo tempo, somente os mestres, emitem o seguinte mantra: 

Repete a Lei: (Disponível apenas para Mestres da Doutrina)


6. Concluído o mantra, os mestres, com os mantos em seus braços, e suas ninfas vão descendo do Aledá e se dirigem até o Trino que se encontra na Cassandra, na parte evangélica. Um a um, os mestres ficam diante do Trino, que pega o manto e o coloca no pescoço do mestre. Este, após cumprimentar o Trino, vai recompondo, ainda na parte evangélica, o grupo de 7 que, após completado, é conduzido pela corte, saindo pelo portão do Randy, até o Turigano.
7. No Turigano, mestres e ninfas se ionizam com sal e perfume, tomam o vinho servido pelas Samaritanas, e aguardam o sinal dos Devas para partirem, aos grupos, conduzidos pela corte, rumo à Estrela Candente.
8. Chegando à Estrela Candente, entram pelo Grande Portão, sobem pela rampa do coroamento e descem as escadas pela faixa vermelha. Fazem a reverência diante do Oráculo de Pai Seta Branca, sobem e se posicionam na passarela da Cachoeira, um mestre ao lado do outro, com as ninfas atrás, de frente para a Unificação. Quando todo o grupo estiver em posição, somente os mestres repetem o mantra emitido no Aledá, a uma só voz. Concluído o mantra, a corte conduz o grupo para a Unificação, passando pela Lança de Yemanjá e indo à Pirâmide. Após passarem pela Pirâmide, está concluído o ritual.